ENTRESSEIO

s.m. 1-vão, cavidade, depressão. 2-espaço ou intervalo entre duas elevações. HUMOR, CURIOSIDADES, UTILIDADES, INUTILIDADES, NOTÍCIAS SOBRE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE BENS CULTURAIS, AQUELA NOTÍCIA QUE INTERESSA A VOCÊ E NÃO ESTÁ NO JORNAL QUE VOCÊ COSTUMA LER, E NEM DÁ NA GLOBO. E PRINCIPALMENTE UM CHUTE NOS FUNDILHOS DE NOSSOS POLÍTICOS SAFADOS, SEMPRE QUE MERECEREM (E ESTÃO SEMPRE MERECENDO)

30 maio, 2007

SEU DINHEIRO VAI ACABAR

SE ALGUÉM VIRAR VOCÊ DE CABEÇA PARA BAIXO E SACUDIR, NÃO CAI NEM UMA MOEDINHA? FIQUE CONTENTE: VOCÊ É UM HOMEM ADIANTE DE SEU TEMPO! A GENTE EXPLICA ESSA HISTÓRIA:
Você anda sem dinheiro? Abre a carteira, inspeciona todos os bolsos e... nada? Existe um modo positivo de encarar essa situação: em relativamente pouco tempo, ninguém mais vai ter dinheiro. Pelo menos do jeito como o conhecemos hoje.
É uma tendência que já era clara e irreversível. Mas que virou um fato histórico quando a respeitadíssima revista The Economist colocou na sua capa uma colagem de moedas formando dinossauros. A chamada dessa capa não deixou dúvidas: "O fim do dinheiro".
Claro que nós da VIP e o pessoal da The Economist não estamos falando do dinheiro como instituição e meio de trocas entre os seres humanos. Isso continua. Para deixar claro, aí vai uma definição igualmente respeitada do que entendemos por essa coisa também conhecida como "grana", verdinha", "o danado", "l'argent", "bufunfa", "dindin" e "arame":
"Dinheiro – mercadoria aceita por consenso como meio de transação econômica. É o meio no qual os preços e os valores são expressos. Como moeda, circula anonimamente de pessoa em pessoa e de país em país, assim facilitando o comércio e é a principal medida da riqueza." ( Encyclopaedia Britannica)
PAGANDO COM CONCHAS
Essa definição vai continuar valendo. O que está mudando radicalmente é o formato desse dinheiro. Vivemos a maior revolução nesse sentido em mais de 3 mil anos. O fim do dinheiro significa o final da era de notas e moedas e também do velho cheque, que os brasileiros usam até para pagar gorjeta.
O dinheiro está ficando invisível, volátil, não palpável. Está se digitalizando, como tudo mais em nossas vidas. E com a digitalização vem a praticidade.
Não tem mais cabimento ficar numa cabine de caixa automática, apavorado com a possibilidade de um assalto, esperando que uma máquina leia nossas senhas e nos devolva o que já nos pertence. Ou quebrar o pau com um motorista de táxi por falta de troco. Isso tudo está mudando. E, no geral, para muito melhor.
Os homens já mediram valor das coisas por meio de conchas coloridas. Depois passaram a usar os chamados metais preciosos, especialmente ouro, prata e cobre. Agora imagine-se como um conde austríaco do século 18 levando algumas barras de ouro no baú da carruagem para um banco em Viena. Quem são aqueles homens mascarados lá na frente?
A solução foi criar documentos que diziam: "O proprietário deste documento tem o equivalente a 4 libras e meia de ouro depositado no banco". Ficava bem mais fácil de transportar e de esconder. Foi assim basicamente que nasceu o papelmoeda, como o certificado de uma propriedade em metais.
O dólar americano, por exemplo, nasceu valendo exatamente "23,22 gramas de ouro puro". Essa história de dinheiro equivaler a uma quantidade de ouro só foi acabar com a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Depois da Segunda Guerra (1939-1945), o sistema monetário foi todo remodelado. Mas a grande revolução começaria mais ou menos em 1995.
O PAPEL-MOEDA SOME
A questão: quem precisa de um maço de notas na carteira? Elas acabam. Elas atraem ladrões. Elas se perdem. Elas precisam de troco. Elas estragam. Elas rasgam. Elas acumulam germes e bactérias. Elas dão na vista. Elas não têm volta. Perdeu, perdeu. Tchau. Bye.
O dinheiro eletrônico nasceu basicamente na década de 1950 com os bons e velhos cartões de crédito. Não eram ainda digitais, mas já eram de plástico. Cabiam no bolso da camisa. Representaram uma grande mudança. E continuaram evoluindo e facilitando o comércio internacional.
O cartão de crédito levou ao cartão de débito. E começou a chegar um momento em que você gasta mais vezes passando um cartão num terminal do que puxando notas da carteira. Os cartões de débito prepararam a maior parte da população para o próximo passo.
Nessa fase, que está acontecendo agora, o papel-moeda some. O importante é seu crédito, o que você tem para gastar. Se você está empregado, com toda certeza o seu salário é um número que você visualiza num monitor, sem nenhum tipo de contato físico. (As pessoas já enfrentaram imensas filas de banco para receber seus salários.) Se você anda de ônibus ou metrô, aproxima um cartão magnético de um leitor e está debitado. Sim, o proletariado brasileiro já aderiu ao dinheiro digital e faz tempo. O formato do dinheiro, enfim, não importa mais. E ele tem se vestido cada vez mais como um aparelhinho que quase todos nós possuimos.
DINHEIRO NO CELULAR
Milhões de japoneses (e austríacos, entre outros povos) já saem de casa sem dinheiro, cheque ou cartão. O crédito que ele precisa está num chip do celular. O cidadão entra num terminal de trem e não fica em fila de bilheteria nem mesmo põe a mão no bolso. Cada passageiro é liberado para entrar na plataforma (um passageiro por segundo) simplesmente porque carrega seu cell phone abastecido de ienes no bolso. O débito aparece no visor e é confirmado pelo som de um plin de caixa registradora.
O irônico é que esse método "sem dinheiro visível" foi amplamente implementado no Japão, país onde crimes e assaltos virtualmente não existem. Seria um luxo de Primeiro Mundo então? Aí vem a segunda ironia: o sistema está sendo implantado com grande sucesso em países da África! O chamado continente negro queimou várias etapas tecnológicas e mal passou pelo telefone fixo. Foi direto para o celular, e com o celular ganhou o moderníssimo e-money.
Quem ganha com ele? Compare com o processo tradicional: puxar a carteira do bolso, escolher notas (de olho em possíveis manos das redondezas), entregar as notas, esperar o troco, que talvez não exista e tenha que ser pedido na padaria da esquina. Já as transações eletrônicas podem demorar um décimo de segundo.
E tem a segurança. Dinheiro eletrônico é bloqueável, anulável, controlável por extratos on-line. E exige menos funcionários de quem o recebe, o que gera descontos e produtos mais baratos. Vai causar desemprego? Não para quem souber se adaptar aos novos tempos. É o caso da PayPal, a maior empresa de transações eletrônicas do mundo, com 120 milhões de contas em 100 países. Nela o mundo troca dinheiro e mercadorias com cliques do mouse. Só em 2006, 37,8 bilhões de dólares foram movimentados desse jeito. Pessoa a pessoa, sem interferência.
O que nos leva a outra boa notícia sobre o dinheiro eletrônico. Com ele, o poder absoluto dos bancos vai diminuir cada vez mais. Eles são hoje as únicas instituições que intermedeiam transações monetárias entre os cidadãos. Na nova realidade, isso acaba. Os bancos continuarão existindo, mas terão a concorrência de empresas telefônicas, de administradores de chips magnéticos etc. E, com a concorrência, você sabe: caem os preços cobrados nos bancos, cai a burocracia, cai o poder absoluto do atendente do outro lado da linha. A The Economist dá uns 15 anos para que o papel-moeda seja declarado oficialmente extinto. Deixa claro que sempre existirão nichos menos informatizados em que ele continuará a reinar. Mal comparando, o dinheiro de papel tende a virar uma espécie de disco de vinil. E sempre haverá os reacionários, para os quais nada substituirá o prazer de tirar uma nota de 100 crispando da carteira.
Para o resto de nós, vai importar cada vez menos saber quando saímos de casa se temos cash na carteira ou aqueles pesados círculos de metal que valem quase nada. Com o tempo, estaremos como os japoneses (e alguns africanos): preocupados apenas em levar o celular no bolso.
Revista Vip

Marcadores:

2 Comentários:

  • Às 6:29 PM , Blogger Felipe Alves disse...

    Este comentário foi removido pelo autor.

     
  • Às 6:40 PM , Blogger Felipe Alves disse...

    dinheiro não pode acabar!!! muitas pessoas, assim como eu, prefere o "dinheiro" notas e moedas.

    o dinheiro eu acho melhor que os cartões de créditos.

    com o dinheiro você não se endivida, porque se acabou acabou. e você tem mais controle. (com os catões, você sempre quer comprar por causa das "facilidades" que na verdade gera do de cabeça no futuro)

    com o cartão de credito, você pode ter fraudes assim como ter o dinheiro roubado. fica na mesma

    além das altíssimas taxas dos cartões de créditos..

    pagando a vista, com dinheiro, ganho descontos na maioria das lojas..

    eu já tive três cartões de créditos e nos 3 eu tive muita dor de cabeça!!!

    como dinheiro nunca fui assaltado.

    cartão de credito demora pra transferência, já o dinheiro é coisa muito rápida pago, pego o troco e tchau..

    o dinheiro é sujo sim, o cartão também!!!!!!

    NÃO AO FIM DAS NOTAS E MOEDAS!!!!!

     

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial