ENTRESSEIO

s.m. 1-vão, cavidade, depressão. 2-espaço ou intervalo entre duas elevações. HUMOR, CURIOSIDADES, UTILIDADES, INUTILIDADES, NOTÍCIAS SOBRE CONSERVAÇÃO E RESTAURO DE BENS CULTURAIS, AQUELA NOTÍCIA QUE INTERESSA A VOCÊ E NÃO ESTÁ NO JORNAL QUE VOCÊ COSTUMA LER, E NEM DÁ NA GLOBO. E PRINCIPALMENTE UM CHUTE NOS FUNDILHOS DE NOSSOS POLÍTICOS SAFADOS, SEMPRE QUE MERECEREM (E ESTÃO SEMPRE MERECENDO)

24 agosto, 2009

CULTURA, PATRIMÔNIO CULTURAL E HISTÓRICO - 24-8-09

Batatais-SP - Telas de Portinari serão restauradas
Licitação definiu ateliê de SP, mas projeto ainda precisa ser aprovado por Iphan e CondephaatAs 37 telas expostas nas paredes da Matriz do Senhor Bom Jesus da Casa Verde, em Batatais, região de Ribeirão Preto, incluindo 23 do pintor Cândido Portinari, nascido na vizinha Brodowski, serão restauradas em breve. A prefeitura, após licitação com quatro participantes, já definiu que o ateliê De Vera Artes, de São Paulo, executará o trabalho, previsto para durar um ano. Mas ainda depende de análises e aprovações do projeto pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat), pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e pela Fundação Portinari, uma vez que existem ali obras tombadas e outros trabalhos do renomado pintor.
A preocupação com as restaurações surgiu no começo deste ano, após a descoberta das ações de cupins em duas obras do artista local Mozart Pelá e da análise de um furo no canto inferior da tela A Sagrada Família, de Portinari. Somente essa obra está avaliada em US$ 4,5 milhões por técnico do Museu do Louvre, de Paris.
Fuga para o Egito tem a mesma avaliação e Jesus e os Apóstolos (que reúne seis escolas artísticas: expressionismo, realismo, surrealismo, primitivismo, impressionismo e cubismo), exposta na nave central da igreja, atrás do altar, teve proposta real de compra de US$ 6 milhões. Mas as obras não podem sair da cidade. Um segundo trabalho de Portinari, não sacro nem tão valioso, instalado na sacristia, também foi atingido por cupins.
INVESTIMENTO
Segundo o secretário de Esportes e Turismo de Batatais, Antônio Carlos Corrêa, as restaurações ocorrerão na própria cidade, pois o custeio com transporte e seguro poderia triplicar os gastos. Só as obras de Portinari estão estimadas em cerca de US$ 30 milhões. "Na realidade, são obras de valores inestimáveis", comenta Corrêa, que não confirma o investimento nas recuperações, que deve ficar entre R$ 100 mil e R$ 150 mil, segundo experts.
Ele espera aprovações do Iphan e do Condephaat em até dois meses. Além de pinturas de Portinari e Pelá, existem na matriz obras de Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e Roberto Bérgamo e Aparecido Diani.
A restauradora Florence Maria White de Vera, que se aposentou no Museu de Arte Contemporânea (MAC), em 1997, disse que seria mais fácil levar as obras para seu ateliê, em São Paulo. "Teríamos um conforto melhor e todos os equipamentos à mão, mas vamos montar um ateliê lá em Batatais", informa ela, que imagina restaurar três obras por mês.
Florence diz que, na primeira etapa, deverá manter três pessoas na cidade de Batatais, de um total de oito de sua equipe. Os primeiros passos do trabalho serão as verificações da estabilidade do suporte de cada obra, as substituições de chassis e as limpezas da policromia (pintura).
Florence aguarda um comunicado oficial para iniciar o trabalho. "Só sei que o meu projeto foi encaminhado ao Condephaat e ao Iphan", destaca ela.
As obras de Portinari foram pintadas entre 1951 e 1954, encomendadas e adquiridas por cafeicultores e famílias tradicionais de Batatais e doadas à igreja. Merece destaque nessa lista a Via Sacra (de 1954), um conjunto de 14 telas do pintor, que está distribuída na nave central da igreja do município, mas ainda não conta com avaliação oficial por técnicos do Museu do Louvre.
A igreja recebe visitação mensal, gratuita, de cerca de 3 mil turistas.
O Estado de São Paulo


Oktoberfest faz concurso sobre a cultura alemã


Resgatar a cultura trazida pelos imigrantes alemães. Com esse objetivo, a 25ª Oktoberfest – no ano de seu jubileu de prata – e a Feirasul, que acontecem de 7 a 18 de outubro em Santa Cruz, realizam o concurso cultural Conhecer para Valorizar e Preservar. A organização é da 6ª Coordenadoria Regional de Educação (6ª CRE), responsável pela coordenação da Comunidade Escolar. A previsão é que participem 496 municípios gaúchos e mais de 2,6 mil escolas da rede pública estadual. Segundo a coordenadora da Comunidade Escolar na Oktoberfest e também da 6ª CRE, Gardênia Goettert, o certame tem como meta valorizar a cultura germânica e sua influência na formação do Rio Grande do Sul que conhecemos hoje. O concurso Conhecer para Valorizar e Preservar acontece de junho a outubro, com a participação de estudantes de 5ª a 8ª séries do ensino fundamental e também do ensino médio. Em todo o Rio Grande do Sul, os alunos pertencentes ao ensino médio deverão escrever um texto com o tema
A Influência da Cultura Alemã no Rio Grande do Sul. Já os participantes do ensino fundamental, com o mesmo tema, deverão produzir desenhos que foquem a imigração germânica e sua participação na formação do Estado. Em Santa Cruz, especificamente, a tarefa dos alunos será compor a árvore genealógica da sua família. A pesquisa, de acordo com a coordenadora, deverá resgatar a genealogia dos alunos das escolas estaduais do município. “Também será uma forma de se conhecer”, reforça. Os trabalhos, explica ela, começaram no dia 16 de julho e vão até 10 de setembro. A entrega deverá ser feita de 11 a 25 de setembro, e os resultados, divulgados no dia 2 de outubro, destaca Gardênia.
Resultado
Os trabalhos deverão ser enviados, com identificação no verso da folha, para a 6ª Coordenadoria Regional de Educação, na Rua Ernesto Alves, 887, em Santa Cruz do Sul, CEP 96810 060, aos cuidados da assessora de Cultura Denise Kerber. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (51) 3715 1888 ou e-mails pedagogico06cre@seduc.rs.gov.br
e kerber@gmail.com (para Denise).
A avaliação dos trabalhos enviados será feita entre os dias 26 e 30 de setembro por uma equipe de professores de Português, Literatura, Arte e História que não pertençam ao quadro de professores das escolas envolvidas. O resultado será conhecido no dia 2 de outubro.
Premiação
Os alunos vencedores de 5ª a 8ª séries e ensino médio serão contemplados com um aparelho mp3. Já os professores orientadores ganharão um DVD player portátil, e a escola, uma câmera fotográfica digital. Os alunos e professores vencedores do concurso, exceto de Santa Cruz, ainda terão direito a um fim de semana na 25ª Oktoberfest e Feirasul com despesas pagas de hospedagem, transporte e ingresso.
Gazeta do Sul

Encontro de artes e cultura junta Angola e Brasil
Luanda – A Casa de Cultura Brasil-Angola e o Movimento de Arte Lev Arte Angola promovem, no dia 22 deste mês, em Luanda, um encontro de arte e cultura entre os dois países, na qual envolverá poesia, música, humor e outros entretenimentos.
Segundo uma nota de imprensa da Embaixada brasileira a que a Angop teve acesso, o encontro inclui homenagem aos poetas brasileiros Augusto dos Anjos, Castro Alves e os contemporâneos Vinicius de Morais e Carlos Drumond de Andrade, além dos poetas angolanos Agostinho Neto, Alda Lara e Kardo Bastilo.
Durante o certame, a ter lugar no pátio da Casa de Cultura, será debatido “um dos géneros musicais brasileiros mais conhecidos no mundo, que completou 50 anos de existência no ano passado, Bossa Nova”.
Fruto da assinatura de memorando entre a Casa Cultura Brasil-Angola e o Movimento Angola de Arte Lev Arte Angola, “a iniciativa servirá para contribuir na difusão cultural brasileira entre os jovens angolanos e na consolidação da Casa de Cultura Brasil-Angola”, lê-se na nota.
Segundo o coordenador de evento do Lev Arte Angola, Milton Fernandes, “é louvável esse entendimento para a cooperação cultural, na medida em que se marca o início de uma proveitosa parceria”.
Angola Press

Parceria vai impedir comércio ilegal de bens culturais pela internet
Ministério Público e empresa de classificados virtuais firmam acordo para impedir venda de peças sacras e bens tombados


O comércio ilegal de bens culturais mineiros pela internet está com os dias contados. Ontem o Ministério Público de Minas firmou um termo de compromisso com uma das principais empresas de classificados virtuais, a Mercado Livre, que conta com 37 milhões de usuários em 12 países. O promotor de Justiça da área de patrimônio cultural e turístico, Marcos Paulo Miranda, destacou que o acerto foi um primeiro passo no combate a essa negociação virtual ilícita dos bens do estado, já que outras empresas que atuam no setor também serão chamadas a firmar igual compromisso.
De acordo com o termo, a Mercado Livre vai enviar ao MP, em até 60 dias, todas as informações constantes em sua base de dados sobre anúncios de bens de valor histórico, artístico e cultural. Em caso de suspeita do comércio de peças do patrimônio mineiro, o Ministério Público vai investigar o indício de crime.
As leis brasileiras proíbem a saída definitiva do país de bens tombados, de objetos de interesse arqueológico, pré-histórico, histórico e artístico, e também de obras de arte e de ofícios produzidas no Brasil até o fim do período monárquico, além de livros antigos e acervos documentais.
A atividade da empresa consiste em oferecer espaço em seu site para que os usuários negociem produtos e serviços entre si, sem que haja interferência na transação comercial. Porém, depois da constatação de que estavam sendo expostos em suas páginas bens culturais mineiros com indícios de procedência ilícita, a Mercado Livre foi procurada pelo Ministério Público. “O comércio clandestino de bens culturais tem sido um dos maiores responsáveis pela pilhagem de imagens sacras, esculturas, obras de arte, peças arqueológicas e paleontológicas. Isso gera a perda de informações científicas e referências culturais de imensurável importância”, disse Marcos Miranda.
No compromisso firmado ontem, o site se compromete a realizar mudanças para monitorar o comércio desses artigos. “O objetivo é fazer com que o site crie filtros para identificar possíveis bens históricos e artísticos que estejam sendo comercializados clandestinamente e, depois, fazer com que os anúncios dessas peças sejam retirados”, explica a promotora de Justiça que atua na área de combate aos crimes cibernéticos, Vanessa Fusco. Os equipamentos de filtragem também devem servir para que a empresa se recuse a fazer publicação desse material.
Outro compromisso assumido pelo site é o de, num período de dois anos, veicular, nas seções relacionadas ao assunto, um informativo eletrônico sobre a campanha de combate ao comércio clandestino de bens culturais. Segundo a representante do mercadolivre.com Laura Fragomeni, que assinou o termo, é a primeira vez que a empresa firma no país um acordo nesse formato. “Já fomos procurados pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), mas ainda não há nada acertado”, afirmou.
Landercy Hemerson - Estado de Minas


Fortaleza-CE - Obras de restauro preservam acervo do Museu Vicente Leite

Artista plástica, Edilma Saraiva, está realizando a restauração das obras do Museu Vicente Leite (Foto: Antônio Vicelmo)



Reprodução da foto de Vicente Leite, artista cratense que dá nome ao Museu


Uma das obras que estão deterioradas e que passarão por processo de restauração

QUADRO DO MUSEU Vicente Leite, do Crato, que já foi restaurado.
Esta obra foi criada pela artista Sinhá D´Amora, que nasceu no município de Lavras da Mangabeira
Quase 70 quadros fazem parte do Museu Vicente Leite, no Crato, e, agora, estão sendo restauradosCrato A preservação do patrimônio cultural tem importância fundamental para o desenvolvimento e enriquecimento cultural de um povo. Os bens culturais guardam informações, significados, mensagens, registros da história humana - refletem idéias, crenças, costumes, gosto estético, conhecimento tecnológico, condições sociais, econômicas e políticas de um grupo em determinada época.
É com este sentimento que a artista plástica Edilma Saraiva Rocha está restaurando as peças do Museu de Arte Vicente Leite, um patrimônio cultural valioso que foi doado ao Crato por dois artistas de renome internacional: Sinhá D´Amora, que nasceu em Lavras da Mangabeira, em 1906, e morreu no Rio de Janeiro em 2002; e Bruno Pedrosa, conterrâneo de Sinhá D´Amora, hoje morando na Itália. "Ambos conseguiram com amigos pintores e escultores um acervo de obras da melhor qualidade", afirma Edilma.
Entre as obras, estão três aquarelas do pintor cearense José Reis de Carvalho que Integrou a primeira turma de 21 alunos da Academia Imperial de Belas-Artes. Um dos quadros mostra o litoral de Fortaleza, visto de um navio, uma pintura feita, em 1860. O outro é uma vista panorâmica da cidade do Crato visto do Barro Vermelho, hoje Bairro Pinto Madeira. A terceira é um esboço da Praia da Cabedelo, Paraíba.
Deterioração
Com o passar do tempo, estas obras foram deterioradas. A gota d´água foi o inverno deste ano que danificou parte do teto do Museu, obrigando a direção a fazer uma vistoria no restante. O prédio antigo, construído no século XVIII, está sendo recuperado pela Prefeitura, enquanto o acervo cultural foi levado para um atelier, não identificado por questão de segurança, a fim de ser restaurado.
Bens culturais
"A restauração visa salvaguardar o que consideramos bens culturais, que são produtos de nossa cultura - do pensamento, do sentimento e da ação do homem. Esses bens formam o patrimônio histórico e artístico, ou seja, nosso Patrimônio Cultural", justifica Edilma Rocha, enquanto mostra o péssimo estado de conservação das obras.
Edilma que, nas horas vagas, pilota avião, tem três motivos para se entregar de corpo e alma a este trabalho. O primeiro deles é o amor à arte. Filha da artista plástica, fotógrafa e restauradora, Telma Saraiva, e do fotógrafo e pintor, Edílson Rocha, e neta do urbanista e fotógrafo, Júlio Saraiva, Edilma traz a arte no sangue. O segundo motivo é o amor ao Crato, sua cidade natal.
Gratidão
Finalmente, a restauradora apresenta como terceiro motivo: uma dívida de gratidão. Ela cursou a Escola Nacional de Belas-Artes, agraciada com uma bolsa que lhe foi oferecida por Sinhá D´Amora, de quem foi amiga. Sinhá morreu, fazendo um apelo a Edilma: "Cuide do nosso Museu". "São razões mais do que suficientes", diz a restauradora, acrescentando que só não iniciou os trabalhos antes porque não tinha acesso ao acervo. "Agora, que o prefeito Samuel Araripe abriu as portas e o coração para um do mais ricos patrimônios do Crato e do Ceará, nós assumimos a responsabilidade de restaurar as obras".
FIQUE POR DENTRO
Obras são de artistas renomados
O Museu de Arte Vicente Leite possui um acervo de nomes importantes na história da arte vivida nos anos 50, 60 e 70, no Rio de Janeiro, berço das artes no Brasil. Era a época do entrosamento entre mestres, alunos, pais, filhos, amigos e conterrâneos. Uma geração laureada de medalhas, menções honrosas e prêmios de viagens ao Brasil e ao exterior. O Museu foi fundado em 1972, na gestão do prefeito José Miguel Soares, pelo idealizador Bruno Pedrosa e Sinhá D´Amora. Seu nome deu-se em homenagem ao artista cratense de grande talento, Vicente Leite. A pintora Sinhá D´Amora e a escultora Celita Vaccani foram as primeiras benfeitoras do museu, doando com desprendimento trabalhos belíssimos. Conta com obras de artistas renomados: Sansão Pereira, Sérvulo Esmeraldo, Pedro Américo, Henrique Bernadeli, José Reis de Carvalho etc. As obras que compõem o acervo foram adquiridas por meio do idealizador Bruno Pedrosa e Sinhá D´Amora, que obtiveram total apoio de artistas colecionadores, amigos e autoridades de quem solicitaram trabalho, cooperação e ajuda financeira para a concretização do museu.
TÉCNICO-CIENTÍFICO
Trabalho exige tempo e cuidado peçasCrato O trabalho de restauração das obras, que está sendo realizado no Museu Vicente Leite, é lento, meticuloso e, também, cercado de um aparato técnico-científico que confere uma base segura para as intervenções nas obras.De acordo com a artista plástica, Edilma Saraiva Rocha, "hoje, as restaurações buscam intervir menos nas obras e com o cuidado de utilizar materiais reversíveis". Edilma destacou, ainda, que o trabalho começa do zero. Mesmo assim, 22 quadros já estão restaurados e emoldurados, prontos par serem colocados na parede.
A execução da restauração das obras começa pela madeira, reentelação, limpeza profunda, preenchimento com pigmentação da gelatina e por último verniz de proteção. "Em momento algum se pode modificar o trabalho do artista, em cor, desenho, técnica e procedimentos empregados", adverte a artista. "Para isso é necessário um estudo de detalhes passo a passo, com toda a cautela para ter uma finalização exatamente igual à pintura original", complementa Edilma Saraiva.
Em seguida, é feita a recuperação da moldura, encaixe, proteção, suporte e, finalmente, o laudo técnico com documentação anexada.
Em seis meses de trabalho, boa parte das telas já se encontra recuperada, "mas ainda tenho muito trabalho pela frente, que pretendo finalizar até o fim do ano", garante. Estes dois aspectos restauração e conservação estão interligados, atua especificamente nos valores históricos e estéticos da obra de arte, restituindo esses valores tanto quanto possível.
Este valioso acervo voltará ao Museu de Arte Vicente Leite, que funcionará no antigo prédio da Rffsa, no Centro Cultural do Araripe, com todas as condições exigidas em espaço, iluminação, segurança, para agradar a todos os amantes das artes plásticas, enquanto o Museu Histórico do Crato permanecerá no antigo prédio da Casa da Câmara, localizado na Praça da Sé, onde já funcionaram a Cadeia Pública e, também, a Prefeitura Municipal.
ANTÔNIO VICELMO
Diário do Nordeste

Juiz de Fora-MG - Museu Ferroviário recebe prêmio AMIGO DO PATRIMÔNIO
A 4ª edição do Prêmio “Amigo do Patrimônio” vai agraciar 5 instituições que se destacaram na conservação, preservação, defesa e divulgação do patrimônio histórico-cultural de Juiz de Fora. São elas:
- Museu Ferroviário de Juiz de Fora - Ministério Público de Minas Gerais
- Colégio do Carmo - Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB)
– Núcleo de Juiz de Fora - Ultrimagem.
Cerimônia de premiação: Dia: Segunda-feira, 17, Dia Nacional do Patrimônio Histórico Hora: 15h
Local: Anfiteatro João Carriço, na sede da Funalfa, no Parque Halfeld.
Entenda o Prêmio "Amigo do Patrimônio" Instituído pela Lei 11.111, de 25 de abril de 2006, o prêmio é concedido anualmente, sob coordenação da Divisão de Patrimônio Cultural (Dipac), da Funalfa. A proposta é destacar iniciativas de pessoas físicas ou jurídicas, de direito público ou privado, com o objetivo de estimular atitudes de preservação de bens culturais e de valorização do patrimônio da cidade. As propostas são livremente inscritas pela sociedade e avaliadas por uma Comissão Julgadora formada por profissionais ligados ao setor de patrimônio, como historiadores, arquitetos e pesquisadores.
Os premiados: Museu Ferroviário de Juiz de Fora (Avenida Brasil, 2001, Centro): Premiado por desenvolver projetos que divulgam o acervo da unidade e despertam a consciência de preservação do patrimônio histórico, artístico e cultural. É o caso da Oficina Dinâmica do Trem Bão, realizada gratuitamente em julho deste ano, para crianças com idade de seis a 10 anos. Os projetos reafirmam o papel do Museu como instituição educadora, seguindo a vertente “conhecer para preservar”.
Colégio Nossa Senhora do Carmo (Rua Dona Maria Helena Teixeira, 112, Santa Helena): Entidade educacional que está reformando um de seus imóveis, tombado pelo município. Na obra estão sendo mantidas as características arquitetônicas originais. Tal atitude serve de estímulo a outras ações de conservação de bens preservados. Ultrimagem (Avenida Rio Branco, 3029, Centro): Premiada pela reforma do Castelinho dos anos 20 localizado na Avenida Rio Branco. Tombado pelo município em 2001, o imóvel permaneceu abandonado durante alguns anos, sendo alvo de vandalismo. Em 2007, a Ultrimagem iniciou a reforma do Castelinho, concluída em 2008.
O prédio abriga a unidade avançada de diagnóstico em imagem da empresa, que manteve as características da fachada e detalhes internos como vitrais e piso. Ministério Público de Minas Gerais (Rua Santo Antônio, 990/408, Centro): Premiado por ter aberto Ação Civil Pública contra os proprietários do imóvel da Avenida Rio Branco, 3139, Centro, que estava em processo de tombamento. A ação, pioneira no município, é importante para desconstruir a sensação de impunidade nos casos de agressão ao patrimônio cultural e para respaldar a luta da sociedade em favor da memória do município.
Instituto dos Arquitetos do Brasil – IAB/JF (Avenida Rio Branco, 3699/302, Centro): Recebe o prêmio por ter conseguido mobilizar a sociedade e a opinião pública em manifestação contra a demolição do imóvel em processo de tombamento, na Avenida Rio Branco; por ter pedido a abertura de Ação Civil Pública contra os proprietários do referido prédio e, ainda, por continuar no processo de esclarecimento da sociedade, por meio do Fórum de Preservação do Patrimônio.
Lívia Maia
AMU-Amigos do Museu Ferroviário

Restauro poderá render propaganda em São Paulo
De todos os dividendos da Lei Cidade Limpa, a recuperação de áreas públicas é uma das ações que menos avançaram na capital nesses dois anos e meio da regulamentação. Mas também é uma das que mais tem potencial de mudar de fato a paisagem paulistana - vide a reforma de monumentos pela iniciativa privada, que ocorreu em troca da instalação de publicidade.
Na tentativa de incentivar essa prática, a Prefeitura vai agora estender o benefício para quem quiser investir no restauro de patrimônio de São Paulo. Como benefício por reconstruir fachadas e dar novos usos aos imóveis históricos, empresas poderão colocar logomarcas em tapumes e em placas indicativas, uma brecha que pode ajudar a bancar reformas que hoje estão só no papel."A iniciativa privada já pode assinar termos de cooperação para restaurar prédios históricos privados, mas iremos repensar os benefícios para que haja mais interesse", diz a arquiteta Regina Monteiro, coordenadora da Comissão de Proteção à Paisagem Urbana (CPPU).
"Quem investir no restauro da fachada de um imóvel histórico do centro, por exemplo, poderá colocar publicidade nos tapumes e instalar uma placa indicativa. Da nossa parte, iremos ajudar com o levantamento das plantas originais e na identificação de prioridades."A CPPU está montando um projeto-piloto desse programa em um imóvel histórico da Praça do Patriarca - depois de localizar a planta e fotos antigas que mostravam a fachada original, o proprietário e empresas interessadas serão procurados para iniciar a reforma. "Ali naquela região, depois da Lei Cidade Limpa, cada proprietário pintou seu imóvel de um jeito diferente e não se preocupou com o restauro", diz Regina Monteiro. "Isso acabou criando um outro problema para a gente. Com esses termos de cooperação, poderemos criar interesse para que as fachadas sejam padronizadas e voltem a ter os elementos históricos preservados."
CONTRAPARTIDA
Para o arquiteto Mario Cardoso Biondi, que elabora atualmente planos de revitalização de imóveis privados tombados pelo patrimônio municipal na região central de São Paulo, a ideia pode ajudar a acelerar reformas que teimam em não sair do papel por falta de verbas. "Mas isso só vai acontecer se a Prefeitura deixar que as empresas tenham algum tipo de publicidade permanente, não só durante o período do restauro", diz. "Restaurar é muitíssimo caro, sempre. Então a contrapartida tem de ser extremamente atrativa.
Se isso ocorrer, esses termos de cooperação podem dar uma nova cara ao patrimônio histórico do centro."A participação das empresas na preservação do espaço público cresceu nos últimos anos graças a um decreto do prefeito Gilberto Kassab, que permitiu a instalação de pequenas placas com publicidade das empresas que aderem ao programa de conservação.
É uma espécie de brecha na Lei Cidade Limpa - entre os quase 800 termos de cooperação assinados até hoje, que resultaram em investimentos de R$ 80 milhões, houve desde preservação de parques, reforma de passarelas e restauro de monumentos até a revitalização do bairro da Liberdade.
Último Segundo

São Paulo-SP - Triângulo hoje
Ocupando apenas 2% do território abrangido pela Subprefeitura da Sé, o cotidiano do Triângulo é fervilhante e cosmopolita, com um cenário que tem um pouco de cada cidade do mundo. A área faz parte do centro nervoso da economia brasileira e nela se localizam equipamentos culturais de ponta em São Paulo. É dotada de excelente infra-estrutura e é facilmente acessível. Seu diversificado leque de atividades faz do Triângulo um dos lugares da cidade de maior convergência da população. Veja por quê.
Acesso
Chegar até o Triângulo, por transporte público, é muito fácil. São três Estações de Metrô (Sé, São Bento e Anhangabaú) e três grandes Terminais de Ônibus em suas proximidades (Bandeira, D. Pedro II e Pedro Lessa).
Finanças
A terceira maior bolsa de valores do mundo – a BM&FBovespa –, dentre muitas outras instituições financeiras, está no Triângulo, região com mais de 60 agências bancárias.
Comércio
Predomina o comércio varejista diversificado e há, ainda, duas ruas de comércio especializado: a Florêncio de Abreu, com máquinas e ferramentas, e a Barão de Paranapiacaba, com jóias e peças e equipamentos para joalheria. Não falta, inclusive, o comércio pitoresco, com lojas de chapéus ou de canetas de grife, e outras como a Casa Godinho, requintado armazém à antiga que, por preservar o charme, foi tombado pelo patrimônio histórico. Aí também se encontra a sede da Associação Comercial de São Paulo.
Governo
Tem presença maciça na área, com a sede Prefeitura de São Paulo e a quase totalidade das secretarias e empresas municipais e estaduais.
Serviços
Localizam-se no Triângulo o maior Poupatempo do Estado, três Praças de Atendimento da Prefeitura (sendo uma delas na sede da Subprefeitura da Sé), postos da SPTrans para compra do bilhete único e cerca de 20 cartórios.
Judiciário
Estão na área o Tribunal de Justiça, o Ministério Público, o Tribunal de Contas do Estado e o Tribunal Regional Eleitoral, dezenas de escritórios de advocacia, entre os quais alguns dos mais respeitados do país, e entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil-Seção São Paulo (OAB-SP), Associação dos Advogados de São Paulo (AASP), o Instituto dos Advogados de São Paulo (IASP) e o Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (CESA).
Educação
Seis instituições de ensino superior mantêm campi no local: Universidade de São Paulo (USP), com a Faculdade de Direito do Largo São Francisco, a mais antiga do país, União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo (Uniesp), Universidade Anhembi Morumbi, Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap) e Faculdades Integradas Tibiriçá (Fati), com os mais diferentes cursos, e a Faculdade de São Bento, dedicada à filosofia.
Institutos
Estão na área: o Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (IHGSP), o Instituto Educacional BM&FBovespa e o Centro de Documentação e Memória da Unesp, entre outros.
Livrarias e sebos
Dentre as primeiras há as da Imprensa Oficial, da Unesp, Martins Fontes, Saraiva, Loyola, Vozes e Paulus. E entre os sebos pode-se mencionar o José de Alencar, o Richuelo, o São Bento e o Sebo do Messias.
Patrimônio Histórico
250 bens tombados pelos órgãos de defesa do patrimônio histórico, entre eles a Catedral da Sé, o Mosteiro de São Bento, o Edifício Martinelli, o Edifício do Centro Cultural Banco do Brasil, o Solar da Marquesa e a Casa nº 1, o Edifício Ouro Para o Bem de São Paulo e o Edifício Altino Arantes (Banespão), com seu mirante no 35º andar, de onde se avistam desde os espigões da Paulista até a Serra da Cantareira, compõem parte significativa do acervo arquitetônico, histórico e turístico da cidade.
Grandes Edifícios
Alguns dos mais altos edifícios de São Paulo, com lajes generosas e já adaptados às novas tecnologias da informação, por isso mesmo abrigando centenas de empresas e órgãos públicos, pontuam o Triângulo, destacando-se entre eles o Grande São Paulo, o Mercantil Finasa, o Conde de Prates e o Barão de Iguape (Unibanco).
Igrejas
Há muitas, e entre elas, a Catedral da Sé, que recobrou a majestade após o restauro e em cuja praça também se pode observar o Marco Zero, e as Igrejas do Carmo, de São Francisco, de Santo Antônio, a do Mosteiro de São Bento e a de Nossa Senhora da Boa Morte, recém-restaurada.
Equipamentos culturais
São vários no Triângulo, com destaque para o Centro Cultural Banco do Brasil, a Caixa Cultural, o Espaço Cultural BM&FBovespa, o Espaço Nossa Caixa, o MAB FAAP-Centro, o Santander Cultural/Saguão do Edifício Altino Arantes e o Sesc Carmo.
Sindicatos
Mantêm suas sedes no Triângulo, entre outros, os sindicatos dos Bancários, do Servidor Público Municipal, do Comércio Varejista de Material de Construção, dos Servidores do Poder Judiciário e a Associação dos Funcionários Públicos do Estado.
Bares e Restaurantes
Uma centena de restaurantes, bares e cafés para todos os bolsos e gostos fazem do Triângulo uma das boas opções gastronômicas da cidade. Entre os mais famosos estão: Girondino, Salve Jorge, Restaurante do Jockey, Martinelli, Evian, Kopenhagen, Pelé Arena Café, Fazenda Café, Caffè Latte, Café do Pátio do Colégio e Cafeteria do Centro Cultural Banco do Brasil.
Boa forma
Duas das maiores franquias de fitness da atualidade, a Bio Ritmo e a Curves, têm endereços no Triângulo Histórico, sem contar a tradicional academia de ginástica do Sesc Carmo.
Números do Triângulo
0,5 km2 (ou 528,3 mil m2) de área
39 ruas
8 praças (Sé, Clóvis Bevilácqua, Antonio Prado, Patriarca, parte da João Mendes, Ouvidor Pacheco e Silva e Paulo Duarte)
4 largos (Santo Bento, São Francisco, Largo do Café e Largo da Misericórdia)
início de 3 viadutos (Chá, Santa Ifigênia e Brigadeiro Luiz Antonio)
início de 2 avenidas (São João e Rangel Pestana)
O Triângulo de 1810
A área do Triângulo corresponde ao que era a cidade de São Paulo no começo do século XIX, representada pela “Planta da Imperial Cidade de São Paulo”, de 1810. Para além dessa área havia apenas chácaras e, aqui e ali, diminutas aglomerações. Decorre daí chamar-se o Centro ainda hoje de “Cidade”, como fazem alguns de seus habitantes mais antigos. Até algumas décadas atrás, para a maioria da população da cidade e da Grande São Paulo ir à “Cidade" era ir ao Triângulo Histórico.
A história de São Paulo, capital e Estado, e do próprio desenvolvimento nacional é contada pelo traçado e pelas construções do Triângulo Histórico. Da conquista do planalto, passando pelo bandeirismo, ciclo da cana-de-açúcar, apogeu do café e industrialização, até a inserção de São Paulo na economia global, é no Triângulo que se tem a maior concentração de história da cidade por metro quadrado.
Ana Maria Ciccacio
Assessoria de Imprensa
Associação Viva o Centro
Rua Líbero Badaró, 425 – 4º andar – Centro-São Paulo
Tel: 11 3556-8960 Fax: 11 3556-8980
anamaria@vivaocentro.org.br redacao.informe@vivaocentro.org.br
Visite nosso site:
http://www.vivaocentro.org.br/


Reformas em estações ferroviárias geram discussões em Minas Geraes
Obras barram em Patrimônio Histórico e até em comerciantes
As reformas nas estações ferroviárias de Jacutinga e Ouro Fino, no Sul de Minas Gerais, levantam discussões entre moradores e prefeituras das duas cidades. O problema é que parte delas é tombado pelo patrimônio histórico municipal.
Em Jacutinga, algumas reformas já foram feitas. A estação inaugurada no fim do século XIX teve o calçamento e os postes de iluminação trocados. A parte externa de um dos prédios foi restaurada. A intenção é fazer do local um centro de informações para o turista como uma forma de revitalizar o centro da cidade.
O projeto inclui ainda o asfaltamento das ruas no entorno da estação. Porém, os paralelepípedos são tombados. O presidente do conselho do patrimônio histórico, Roberto Moreno, não concorda com a obra. “Essa parte que a prefeitura quer asfaltar é inteira tombada pelo patrimônio e nós do conselho somos contra”, afirma.
Cerca de 80 comerciantes fizeram um abaixo assinado, pedindo o asfaltamento. Eles ainda querem que a rede de esgoto seja substituída. “Sou a favor de uma audiência pública. Todos os moradores devem ser consultados”, explicou a integrante do conselho do patrimônio histórico municipal Vera Perugini.
O prefeito de Jacutinga, Darci de Morais Cardoso, diz que já recebeu uma verba de R$ 200 mil do governo federal para a realização das obras, mas ainda vai consultar o conselho. “Se o conselho for contra, as obras não serão realizadas e vou devolver o dinheiro”, diz.Em Ouro Fino, a estação ferroviária também é alvo de discussões na cidade. O prédio de 1896 está cercado por ruas de paralelepípedo que, de acordo com o Tribunal de Justiça, devem ser preservados. A antiga estação ainda não faz parte do patrimônio histórico municipal. O prédio que pertencia á União foi levado a leilão e por R$ 750 mil foi arrematado por um empresário que quer fazer da estação um Centro Comercial. “O novo dono disse que vai fazer um empreendimento e que vai preservar a estação”, afirma o presidente do Conselho do Patrimônio Histórico Municipal, Antônio Clementoni Filho.
Há cerca de 20 anos a estação abriga o pavilhão das malhas. São 20 lojistas que estão preocupados com o futuro. “Nós vamos entrar nesta briga para continuarmos aqui”, informou o gerente de loja Nelson Andrade.
O empresário que comprou o prédio da estação de Ouro Fino, Davi Maciel, disse que assim que receber a carta de arrematação do leilão, os comerciantes terão que desocupar o imóvel. Caso não saiam, ele deve entrar com um processo de reintegração de posse.
EPTV.com

A pé por Porto Alegre, à noite

Para quem já acha legal os passeios por PORTO ALEGRE aos sábados pela manhã organizados pelo projeto do Viva o Centro a Pé, amanhã, uma nova oportunidade: a 1ª Caminhada Noturna pelo Centro Histórico de Porto Alegre (espero que as previsões de chuva não se confirmem!!!). Ela comemora o Dia Internacional da Fotografia e do Patrimônio Histórico e pretende chamar a atenção para os atrativos histórico-culturais e arquitetônicos do Centro, fazendo também um levantamento fotográfico noturno, com orientação profissional e segurança.
Gratuita, a atividade deve se repetir toda terceira quarta-feira do mês, com roteiros diferenciados. Achei a ideia bárbara. Só conhecendo e ocupando os espaços públicos e a cidade é que se afasta o vandalismo e a violência. Saudade de andar pelas ruas da cidada à noite, sem medo.
O ROTEIRO
- começa às 18h30min no Instituto Cultural Brasileiro Norte-Americano (Rua Riachuelo, 1.257), passa pela Praça da Matriz, Catedral Metropolitana, escadaria da Rua General João Manoel, Fernando Machado (Rua do Arvoredo) e Castelinho do Alto da Bronze, até chegar ao IAB, que abre as portas para os visitantes.
INFORMAÇÕES
- no site
http://www.cultural.org.br/, pelo telefone (51) 3025-0600 ou pelo e-mail
culturaearte@cultural.org.br
http://www.clicrbs.com.br/blog/jsp/default.jsp?source=DYNAMIC,blog.BlogDataServer,getBlog&uf=2&local=18&template=3948.dwt&section=Blogs&post=215627&blog=319&coldir=1&topo=3994.dwt

Bolsas do FAIC para conservadores da América Latina e do Caribe para participar da Conferência Anual do AIC em Milwaukee, Wisconsin em 2010.
As pessoas que desejem candidatar-se devem ler cuidadosamente as instruções abaixo e enviar a documentação completa em inglês para Foundation of the American Institute for Conservation, AIC 2010 Annual Meeting, no seguite endereço:
becas@conservation-us.org ou por correio para o endereço postal indicado ao final deste anúncio. Se possível, favor usar o formúario de aplicação que se encontra no seguinte endereço: www.conservation-us.org/grants. Caso não consiga usar o formulário, favor enviar as seguintes informações:
Dados pessoais: nome completo, endereço postal completo, correio eletrônico (e-mail), fax e telefones.
Curriculum vitae atualizado (máximo de 3 páginas; por favor, não inclua fotos nem material adicional).
Um ensaio sobre o tema da reunião (máximo de 500 palavras). Este ensaio deve ser enviado em inglês juntamente com uma cópia do mesmo texto em português, para ser revisado pelo comitê de seleção. Os ensaios selecionados serão considerados para apresentação nos Grupos por Especialidades, na Sessão Geral ou como poster na Sessão de Poster durante a reunião.
Informação sobre a instituição a qual está afiliado(a): nome, endereço, telefone, fax, e-mail, cargo que o postulante ocupa na instituição, as atividades de conservação que desenvolve nas coleções e como planeja disseminar, em seu país, as informações obtidas na conferência e no simpósio.
Uma carta com a seguinte informação:
Compromisso de assistir a todas as sessões e outros eventos, incluindo workshops programados para os bolsistas participantes da reunião anual do AIC.
Declaração sobre o tipo de visto válido do(a) candidato(a) para entrar nos Estados Unidos. Caso contrário, o candidato terá quatro meses a partir da confirmação da bolsa (15 de Novembro de 2009) para obter o visto. O FAIC se compromete a enviar uma carta original de outorgamento da bolsa para ser apresentada na Embaixada Americana do respectivo país. Os gastos para a obtenção do visto não serão cobertos pelo FAIC, mas sim, pelo postulante.
Preço estimado do bilhete aéreo de ida e volta na classe econômica de sua cidade até Milwaukee, Wisonsin (para chegada Segunda-feira, dia 10 de maio e saída no Domingo, dia 16 de maio de 2010).
Informação sobre os gastos que possivelmente o solicitante possa cobrir por si mesmo, com fundos de sua instituição ou obtidos localmente. Os gastos de inscrição, alojamento e alimentação serão aproximadamente os seguintes:
Inscrição US$ 395,00
Workshop dia 11 de maio US$ 130,00
Tour Laboratório de Conservação (15 de maio) [incluído]
Hotel (quato duplo compartilhado com outro bolsista,
US$ 97.50/noite) US$ 585,00
Alimentação e outros gastos (US$ 44,00/dia x 7 dias)US$ 308,00
Bilhete aéreo de ida e volta da cidade de origem a Denver, no Colorado [variado]
Transporte local, visto e outras taxas de viagem [variado]
As bolsas do FAIC geralmente cobrem os gastos com a inscrição, hotel e bilhete aéreo. Um número limitado de bolsas para alimentação deverá estar disponível e deve ser solicitado de maneira específica.
Todos os bolsistas selecionados no programa LAC terão a oportunidade de participar de workshops ou tours na terça-feira, dia 11 de maio. Um tour especial dos laborstórios de conservação será organizado no sábado, dia 15 de maio.
Nota: As candidaturas devem ser recebidas pelo FAIC no máximo até
dia 1o. de setembro de 2009.
Formulários para aplicação e mais informações estão disponíveis na página do AIC/FAIC:
www.conservation-us.org/grants . Aplicação eletrônica é preferível.
Por favor enviar a documentação completa por correior rápido (FEDEX, DHL, etc.), correior eletrônico ou fax para o seguinte endereço:
FAIC Scholarship Program
1156 15th Street, NW, Suite 320
Washington, D.C. 20005 USA
Tel.: (202) 452-9545, ext 5, Eric Pourchot
Fax.: (202) 452-9328
E-mail:
becas@conservation-us.org
2010 FAIC/ Latin American and Caribbean Scholarships to attend the AIC Annual Meeting in Milwaukee, Wisconsin.
The 38th Annual Meeting of American Institute for Conservation of Historic and Artistic Work (AIC) will be held at the Hyatt Regency Hotel in Milwaukee, Wisconsin May 11-14, 2010. The theme of the meeting is “The Conservation Continuum:Examining the Past / Envisioning the Future.”
Sessions at the meeting will examine changes in the philosophy and practice of conservation in the 21st century. By revisiting and evaluating past successes, failures, and economic realities, future directions of conservation will be discussed. Possible subjects are: changing requirements for the museum environment; changing treatment materials based on toxicity, sustainability, or availability; introduction of new materials, techniques, or management practices; evolution of ethics, standards, and esthetics in treatment and preventive maintenance.
The Foundation of the American Institute for Conservation of Historic and Artistic Works (FAIC) has received funding from the Getty Foundation to offer scholarships to conservation professionals from Latin America and the Caribbean to participate in the 2010 AIC Annual Meeting. Conservation professionals with a minimum of three years of experience and currently employed in the conservation field may apply. Priority will be given to new applicants; previous scholarship recipients may apply again. The selection will be based on:
§ The quality of the essay
§ Previous opportunities to attend international meetings
§ Number of applicants from each country
§ Ability to communicate in English (there will be no simultaneous interpretation provided this year)
§ Ability to share information gained from the AIC Annual Meeting
§ Availability of financial support from employer or other sources
Please read the following information carefully and send an application in English to the Foundation of the American Institute for Conservation at
becas@conservation-us.org, or by mail to the specified address at the bottom of this announcement. If possible, please use the application form found at www.conservation-us.org/grants. If you cannot use the form, please provide the following information:
· Personal information: full name, address, e-mail, fax, and phone numbers.
· Curriculum vitae (maximum 3 pages, please do not attach photos and/or additional information).
· An essay, preferably an abstract for a presentation connected to the topic of the conference (maximum 500 words). The essay needs to written both in English and the original language of the candidate so that it can be reviewed by the selection committee. Abstracts from the selected applicants will be considered for presentation in Specialty Group Sessions, the General Session, or as a poster.
· Information on the institution where the applicant is employed: name, address, phone numbers, fax, e-mail, the applicant’s position in the institution, conservation tasks carried out on collections, and how the applicant plans to share and disseminate the information gained from attending the conference and the symposium.
· A letter with the following information:
- A statement committing to attend all sessions and events in the conference and the workshops.
- A statement about the type of visa the applicant has to enter the USA. If the applicant does not have a visa, she/he will have four months to obtain it, from the date the scholarship is awarded (November 15, 2009). FAIC will send an original letter of award to be presented at the respective American Embassy. The costs associated with the visa will be the responsibility of the applicant.
- An estimated cost of the round-trip economy airfare from your home city to Milwaukee, Wisconsin (for arrival Monday, May 10, departure Sunday, May 16, 2010).
- A statement on how much could the applicant personally contribute to her/his expenses or from other sources of funding such as her/his institution or local foundations. The expenses including transportation, registration, hotel and miscellaneous are approximately:
Meeting Registration US $395.00
Workshop on May 11 $130.00
Conservation Lab Tour on May 15 [included]
Hotel (double occupancy with another scholar,
US $97.50/night) US $585.00
Food and miscellaneous (US $44/day x 7 days) US $308.00
Airfare from the applicant’s city to Milwaukee [varies]
Ground transportation, visa, other travel fees [varies]
Scholarship awards from FAIC will generally cover registration, workshop, tour, hotel, and airfare only. A limited number of stipends for meals are available and must be specifically requested.
All applicants of this LAC scholar program will have the opportunity to attend workshops or tours on Tuesday, May 11. A special tour of conservation labs will be organized on Saturday, May 15.
Note: The applications must be received by FAIC by September 1, 2009.
Application forms and more information are available on the AIC/FAIC website:
www.conservation-us.org/grants. Electronic submissions are encouraged. Please send the complete information via air mail (FEDEX, DHL), e-mail or fax to:
FAIC Scholarship Program
1156 15th Strreet, NW, Suite 320
Washington, DC 20005 USA
Tel: (202) 452 9545, Ext. 5, Eric Pourchot
Fax: (202) 452 9328
E-mail:
becas@conservation-us.org

Ministério da Cultura aumenta em R$ 18,4 milhões orçamento da Funarte
SÃO PAULO - A Funarte receberá um aporte para editais de R$ 18,4 milhões do Ministério da Cultura a mais que o previsto, totalizando um orçamento de R$ 35,1 milhões.
O ministro Juca Ferreira anuncia em São Paulo nesta quarta-feira as novas dotações, duas ações de fomento às artes visuais e seleção de artistas para a Feira Música Brasil 2009.
Com a suplementação, a Funarte terá R$ 1,5 milhão para retomar seu programa de distribuição de equipamentos de iluminação para teatros brasileiros.
A edição 2009 do Prêmio Funarte Carequinha de Estímulo ao Circo, com inscrições já encerradas, terá novo aporte de R$ 3 milhões que, adicionados aos R$ 2,9 milhões já previstos, totalizarão R$ 5,9 milhões.
Sete bolsas e prêmios da Funarte abertos para inscrições em todo o país ganharão reforço em seu orçamento.
O Globo

REDUÇÕES JESUÍTAS ATRAEM TURISTAS NO PARAGUAI
Trindade, 21 ago (RV) – Com um espetáculo de luzes, música e sons autóctones, o governo paraguaio inaugurou ontem uma das atrações turísticas mais imponentes do país: o parque com ruínas das missões jesuíticas do século XVII.As ruínas jesuíticas da Santíssima Trindade do Paraná são reduto de uma missão da Companhia de Jesus localizada a 370 km de Assunção, ao lado da cidade de Posadas, fronteira com a Argentina.
Em 1993, foram declaradas Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.Localizadas no Departamento de Itapúa, são reduções bem conservadas de um dos numerosos povoados fundados por jesuítas no marco de sua área colonizadora na América do Sul, no século XVII.
Criadas no ano 1609, foram se desenvolvendo durante mais de 150 anos; testemunham a riqueza histórica do Paraguai.Centenas de pessoas presenciaram a inauguração da obra, projetada para ressaltar o aspecto monumental do patrimônio turístico nacional: com a ajuda da tecnologia, um jogo de luzes foi especialmente desenhado para reproduzir imagens e sons de 400 anos atrás.
O projeto “Luzes, Sons e Imagens de Trindade” contempla um percurso que leva os visitantes aos tempos das missões, passeando por imponentes vestígios das igrejas maior e menor, casas de índios e uma praça, que fazem parte do complexo. Neste sentido, quis reconstruir a integração da cultura guarani com o estilo barroco levado pelos missionários espanhóis que chegaram àquelas terras no século XVII.
O encerramento do evento ficou por conta da orquestra sinfônica internacional “Sons da Terra (“Weltweite Klange”), cujos membros provêm de países como Alemanha, Áustria, Suíça, Itália, Índia, Estados Unidos, Argentina, Paraguai e Brasil.
O repertório incluiu músicas sacras, com obras de Domenico Zipoli (1688-1726) selecionadas no respeito da herança cultural das missões, e peças compostas por indígenas paraguaios. Domenico Zipoli, jesuíta missionário italiano, compôs para os Trinta Povos das Reduções.
Recentemente, manuscritos de suas composições foram encontrados na Bolívia: duas Missas, um Te Deum, Oratórios, a Ópera Santo Inácio de Loyola, entre outras obras, sobretudo para cravo.Segundo o Ministério do Turismo, o objetivo do projeto é atrair a maior quantidade de turistas, “que poderão desfrutar destas maravilhas não só de dia, mas também depois do por do sol”.
O projeto de Itapúa, que prevê também a capacitação de guias turísticos, foi realizado com o financiamento da Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento, do Mercosul e do Banco Interamericano de Desenvolvimento, BID.
Rádio Vaticano

Marcadores: , ,

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Início